Ciências sociais, censo e informação quantitativa no Brasil: entrevista com Elza Berquó e Nelson do Valle Silva

Fizemos uma entrevista com Elza Berquó e Nelson do Valle Silva. Saiu na Novos Estudos Cebrap.

O link é esse aqui.

Reproduzimos a introdução aqui:

Por sua regularidade, capilaridade, relativa padronização e abrangência temática, os censos demográficos estão entre as principais matérias-primas dos estudos sobre as mudanças de longo prazo na sociedade brasileira. No entanto, analisar dados dos censos implica também conhecer seus processos de produção e, consequentemente, a própria história dos levantamentos de informação social quantitativa no Brasil.

A entrevista a seguir foi realizada no contexto do primeiro workshop do Projeto Censo. Idealizado e coordenado pela professora Marta Arretche (CEM-Cebrap e USP), o Projeto Censo, iniciado em meados de 2012 no âmbito do Centro de Estudos da Metrópole (CEM), objetiva examinar as mudanças sociais, políticas e demográficas ocorridas nos últimos cinquenta anos, tomando como eixo a análise das desigualdades. No percurso de nossa pesquisa, diversas inquietações surgiram durante a utilização dos censos. Nós, entrevistadores, éramos parte da equipe de suporte metodológico do projeto e nosso objetivo ao entrevistar dois dos maiores pesquisadores brasileiros que já trabalharam com essas informações era o de (re)descobrir as histórias que envolvem a produção e o uso dos censos demográficos2. A trajetória profissional dos professores Elza Berquó e Nelson do Valle Silva diz muito sobre a consolidação do campo das ciências sociais no Brasil e ambos são parte da história dos levantamentos e da análise dos dados censitários no país.

Nelson é um dos principais responsáveis por desenvolver o campo de estudos de estratificação social no Brasil. Tem inúmeros trabalhos sobre desigualdades educacionais, raciais, ocupacionais, estruturação de classes e mercado de trabalho. Atualmente professor visitante do Iesp-Uerj (anteriormente professor titular do Iuperj), foi também pesquisador titular do Laboratório Nacional de Computação Científica do então CNPQ (LNCC) nas décadas de 1980 e 1990, além de ter trabalhado no IBGE nos anos 1970, inicialmente como analista de sistemas do Instituto Brasileiro de Informática (IBI-IBGE) e, posteriormente, como chefe do Departamento de Estudos da População.

Elza é professora titular da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Tem graduação em matemática, mestrado em estatística e especialização em bioestatística pela Universidade de Columbia. Foi aposentada compulsoriamente pelo AI-5, e então compôs o corpo de fundadores do Cebrap, onde deu seguimento às suas pesquisas na área de demografia. Liderou a criação do Núcleo de Estudos de População (Nepo) da Unicamp, em 1982, e da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep), em 1976. Recebeu, em 1998, a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico e é membro titular da Academia Brasileira de Ciências.

Anúncios